Noticias

09/09/2019 Comissão aprova projetos, zera pauta e debate estacionamento rotativo em Natal

Seis projetos foram apreciados, nesta segunda-feira (09), na Comissão de Planejamento Urbano, Meio Ambiente e Transporte da Câmara Municipal de Natal. Na ocasião, os parlamentares aprovaram três textos, pediram vistas de dois e outro foi encaminhado à presidência da Casa, que vai decidir se ele seguirá tramitando ou se será arquivado. Mais seis projetos foram encaminhados para relatoria durante a reunião.  

Entre os projetos aprovados, dois de autoria da vereadora Carla Dickson (PROS): um que possibilita a colocação de anúncios em ônibus com fotos de menores desaparecidos e outro que determina a instalação de botões de alerta nos transportes públicos de Natal, acionados em situação de emergência; a relatoria de ambos foi do vereador Raniere Barbosa (Avante).  

A outra matéria aprovada pelo colegiado institui a adoção de métodos sustentáveis em obras e serviços de engenharia executados pelo Município, que deve assegurar a proteção do meio ambiente. O presidente da Comissão de Planejamento Urbano, vereador Klaus Araújo (SD), avaliou o andamento dos trabalhos. "Mais uma vez zeramos a pauta, com a totalidade dos textos apreciados e encaminhados. A avaliação é positiva", concluiu.

Na sequência, o Plano de melhoria de circulação viária que institui o estacionamento rotativo em Natal foi apresentado à comissão de Planejamento Urbano. O projeto, denominado Zona Azul, visa criar 4200 vagas em 8 bairros da capital potiguar. A exposição foi feita pelo secretário-adjunto de Transporte da STTU, Walter Pedro. “Com a medida vamos criar mais vagas do que qualquer centro comercial privado. O valor será de R$ 2,00 a hora para permanência máxima de duas horas. O estacionamento rotativo está em fase de licitação e vai utilizar um aplicativo para venda de bilhetes, que poderão ser comprados em lojistas associados”,  informou Walter.

O vereador Raniere Barbosa questionou alguns pontos da proposta. "Acredito que como o espaço dos estacionamentos é público, a gestão dele também deveria ser pública e não da iniciativa privada como querem fazer. Solicitei que apresentem as razões pelas quais o Município não pode administrar o processo. Isso posto, a população precisa participar desse processo, bem como entidades e movimentos sociais empenhados nas questões do planejamento urbano e acesso à cidade”.

 

Texto: Júnior Martins

Fotos: Verônica Macedo 

Comissão de Planejamento Urbano

Voltar

event_note Informativo