Notícia

08/11/2019 Grupo de apoio à adoção recebe homenagem da Câmara Municipal de Natal

Em 2019 o Projeto Acalanto completou 23 anos de sua criação. E em homenagem aos serviços prestados pela fundação à comunidade norte-rio-grandense, a Câmara Municipal de Natal realizou na noite desta quinta-feira (07) sessão solene comemorativa. A proposição foi da vereadora Nina Souza (PSD), que destaca o serviço da instituição em orientar pessoas sobre os trâmites e etapas do processo de adoção. 
A  Acalanto norteia várias famílias e pessoas que pretendem adotar, fazendo as interlocuções entre elas e as instituições que são necessárias para que o processo se consolide.

“Eles ajudam não só as famílias, mas também à crianças ou adolescentes, fazendo interlocuções a diversos órgãos como Ministério Público, secretarias e Defensoria. A sessão solene é em reconhecimento a esse trabalho tão lindo, árduo e diário. E além do grupo merecer é uma oportunidade de mostrar para a sociedade que existe uma fundação séria que levanta a bandeira da adoção de maneira responsável”, destacou a vereadora Nina Souza. 

O Grupo Acalanto é uma sociedade civil e assistencial sem fins econômicos, composto por um grupo de pessoas que voluntariamente se disponibilizaram a desenvolver um trabalho de esclarecimento, estímulo e encaminhamento à adoção. O grupo tem como objetivo evitar a institucionalização de crianças e adolescentes e prevenir o seu abandono e marginalização. 

O presidente do projeto, Pedro Bruno Fernandes, explica que a trajetória do Acalanto é representada pela palavra entrega. “Nós somos uma família e nos envolvemos com a causa da adoção nos seus diversos âmbitos. E para nós que fazemos o grupo sempre estamos a serviço, tanto para as famílias e instituições responsáveis mas, principalmente, para as crianças e adolescentes que precisam de uma família e se encaixar nesse mundo afetivo que é a adoção”. 

Em meio à sessão, o grupo apresentou um vídeo emocionante com depoimentos de crianças que foram adotadas e de pais adotivos, tanto potiguares quanto de outros estados e até os que vivem fora do Brasil.

Dos 23 anos de existência , 10 deles já foram vividos pelo voluntário José Amorim de Souza Sobrinho. Ele, além de voluntário, é advogado e dá a sua contribuição de forma jurídica ao grupo. “Tudo começou há 10 anos quando, na verdade, eles me adotaram, eu costumo sempre dizer que foi isso que aconteceu. Eu sou pai adotivo e o sentimento que tenho em relação ao grupo de apoio é de família, eles são uma família que trabalha em nome de uma causa especial, e isso faz com que a gente crie um elo forte com a casa”, disse. 

A Acalanto faz parte da rede de proteção à criança e ao adolescente no estado do Rio Grande do Norte e, atualmente, conta com cerca de 80 voluntários, atende em média 200 casos ao mês e desde a sua fundação já participou de mais de 1500 processos de adoção. 

Uma das fundadoras do projeto, Rejane Maria Bruno, relata que existem três pilares sobre a adoção. “Nós trabalhamos com base na adoção segura, legal e para sempre. Ao longo desses 23 anos, nós já vivemos muita coisa e já vencemos muitas barreiras, a maior delas foi o reconhecimento pelo judiciário, secretárias e demais órgãos  como um grupo que trabalha em conjunto com eles em nome da causa. Hoje nós temos esse reconhecimento” concluiu. 

A ONG trabalha não apenas no Rio Grande do Norte, mas presta suporte a outros estados do Brasil. Na sessão solene, o vice-presidente da Associação Nacional de Grupos de Apoio à Adoção, Cláudio Medeiros, acrescentou que hoje existem 180 grupos de apoio em todo Brasil, e a Acalanto é uma delas. “O Nordeste, tão carente em relação a questões sociais, fazendo um trabalho desses é o maior orgulho. E no caso da homenagem na Câmara Municipal, mostra que o Legislativo tem sensibilidade à causa, trazendo mais despertar para que a sociedade se envolva cada vez mais. Ter o reconhecimento de um órgão oficial é muito importante, é uma união de vários poderes para que nossas crianças tenham um lar”.